15 de set de 2015 | By: @igorpensar

Cada um em seu lugar

Quanto mais Cristo torna-se absoluto, mais nos tornamos relativos a Ele. Quanto mais relativos a Cristo nos tornamos mais resistimos qualquer coisa que arrogue absolutividade. Também resistimos tudo que tenta nos relativizar ao invés de Cristo. Pois sabemos que o relativo na medida que orbita ao redor do absoluto torna-se semelhante a ele. Seja Cristo seja qualquer outra coisa. O problema é que Cristo é o absoluto real, todas as outras coisas, por mais que arroguem absolutividade, são igualmente relativas a Ele. Logo, voltemos para Cristo, para que não nos tornemos menos do que deveríamos ser.
1 de set de 2015 | By: @igorpensar

Dar de Tudo que Foi Dado

Mais do que 10%, toda existência!

Este é um ponto sensível, mas fato é que o dízimo era uma contribuição destinada a manutenção do sacerdócio levítico no Templo de Jerusalém. Porém, o princípio contido no Novo Testamento é mais profundo do que 10% dos recursos financeiros, funda-se em um princípio de generosidade que exige toda existência e recursos à serviço de Cristo. Por um motivo simples: Cristo é mais do que qualquer teologia da prosperidade pode oferecer. A partir desta compreensão, o compromisso cristão é com a contribuição e a generosidade irrestrita, sem taxas mínimas ou máximas. A contribuição cristã funda-se não em legalismo ou barganha, tampouco em avareza egoísta, mas em uma vida grata. O cristão não contribui porque quer ganhar algo em troca, ele contribui porque já tem todas as coisas.

Esta é uma reflexão bíblica e pastoral, em que tento ser honesto sobre a contribuição, a generosidade e o compromisso financeiro de cristãos. Não é uma mensagem contra o dízimo, mas contra a avareza e a favor da generosidade.