29 de mai de 2015 | By: @igorpensar

Aos Cacos

No esforço de mantê-lo em pé, sem força, escorregou entre os dedos.
Não há como juntar os cacos e refazê-lo, só resta juntá-los para destiná-los ao lixo.
Tornou-se refugo, escória e descarte.
Tantas mãos por seu liso e translúcido corpo passaram.
Tantas bocas se saciaram em ti.
Mas, agora, encontra-se aos cacos, despedaçado, e serás esquecido.  
Sim, friamente substituído.  Teus cacos se espalharam no mundo. 
Puro esquecimento, este é o teu fim.
O que restou de ti?  O nada, o vazio e a não existência.
Gente?  Talvez um copo que se quebrou por minha distração.
25 de mai de 2015 | By: @igorpensar

Pentecostes: Deus presente!

De acordo com o calendário cristão, ontem se rememorou o Dia de Pentecostes. Para os metodistas, também é o Dia da Experiência do Coração Aquecido de John Wesley. Então, quero lembrar aos caros leitores que Pentecostes é de extrema importância para um mundo que experimenta uma espécie de "ausência do sagrado" (secularização ou desencanto).

A falta da presença física de Cristo, sua ascensão, poderia causar certo desconforto aos discípulos. A expectativa do eminente estabelecimento do Reino de Deus ainda era bem presente enquanto os galileus observavam seu Messias subindo aos céus. Entre a Ascensão e Pentecostes, os discípulos poderiam experimentar uma espécie de "secularismo", por isso, deveriam permanecer em oração aguardando o Consolador, o Espírito Santo. Porém, o Deus que se oculta na glória (Jo 16:16), que tornou-se presente na encarnação, agora se reapresenta no Consolador -- o Espírito Santo .

O Espírito Santo, o mesmo que 'pairava sob a face das águas' quando a terra ainda era caótica, mas prestes a assumir sentido, agora repousa sob os eleitos da Nova Criação. Deus repete o ato criativo: a matéria prima, não é mais o pó, agora é o Cristo Ressuscitado; as águas, agora do batismo; a palavra e a luz, são o próprio Verbo. Por esta razão, cristãos agora vivem em novidade de vida, pela esperança da aparição de um novo mundo. Aguardam com gemidos que seus corpos sejam transformados, não temem a transitoriedade e a deterioração.

O que queimava no coração de Wesley no século XVIII, arde no coração de todo cristão que renasceu pelo Espírito mediante Cristo, e agora, experimenta os sinais e o antegosto da eternidade. Apesar da aparente ausência, Deus continua profundamente presente pelo seu Espírito, preparando as coisas para a eminente estreia de um Novo Mundo.
14 de mai de 2015 | By: @igorpensar

Dia da Ascensão de Cristo

Hoje (14/05) é o Dia da Ascensão de Cristo! ‪#‎ascensão‬

Quando o sumo sacerdote, no tabernáculo, entrava uma vez ao ano no lugar mais sagrado daquele santuário, o fazia em uma jornada solitária, enquanto o povo e as tribos de Israel clamavam para que a intercessão fosse aceita. A imagem era impressionante, envolto na fumaça do incenso, ir em uma missão que podia ser sem volta. O povo permanecia tenso no Dia do Perdão, enquanto o sumo sacerdote oficiava sacrifícios e aspersões. Sob um misto de ansiedade e temor, afinal -- vai que o fogo do Senhor -- יהוה -- o fira -- repentinamente o sumo sacerdote aparecia à porta do tabernáculo. Imagino sua expressão de alegria, anunciando ao povo a boa-nova: estamos reconciliados e em paz com Deus!

Da mesma forma, como propõe a Carta aos Hebreus, Cristo ascendeu aos céus em sua intercessão. Como no Livro de Atos dos Apóstolos, ele é elevado sob o olhar intrigante dos discípulos, que o veem subindo entre as nuvens do céu, como um sacerdote que desta vez eleva-se como oferta: ele é o sacrifício. Faz isso para interceder por seus eleitos. Sobe em uma peregrinação intercessora, torna-se mediador entre Deus e os homens. Os discípulos recebem o aviso: "Ele virá do mesmo jeito que subiu". Sim, como o sacerdote que entra no tabernáculo, ele voltará anunciando a reconciliação final, entre criaturas e Criador, entre os filhos da aliança e seu Pai Eterno.

De acordo com o calendário cristão, agora só faltam 10 dias para Pentecostes.
11 de mai de 2015 | By: @igorpensar

Descentrado



Não encontrou, foi encontrado. Não aceitou, foi aceito. Não escolheu, foi escolhido. Não amou, foi amado. Livre do fardo da autoestima, autoajuda, autoafirmação, autonomia e autopromoção. ‪#‎descentrado‬

6 de mai de 2015 | By: @igorpensar

Não é autoestima ou reputação, é justificação!

Há homens bravos, imponentes, impositivos e centralizadores. Ufanistas por natureza, conseguem arrebatar multidões por sua personalidade "forte". Entretanto, poucas coisas me causam tanta admiração do que um homem modesto, despretensioso, zeloso mas vulnerável, que pondera suas opiniões, que não hesita em admitir seus disparates. Um homem que se esqueceu (lembrei-me do Ego Transformado do Keller) para ser encontrado fora de si e dos outros. Sua identidade não depende do que dizem ou do que ele diz sobre si mesmo, libertou-se de si e dos outros, encontrou-se em Cristo. Libertou-se do fardo de uma reputação baseada em méritos ou deméritos pessoais. Se há um modelo de hombridade, a modéstia tem que estar lá de alguma maneira. Porém uma modéstia baseada na obra justificadora de Cristo. Se perante Deus sua reputação está resolvida (justificado pelos méritos de Cristo), sua identidade não é mais determinada pela autoestima ou estima social mas pelo que Deus diz: "justo!".
27 de abr de 2015 | By: @igorpensar

Comunhão mediada por Cristo

Desmitifique a comunhão. O fundamento da comunhão não é a confraternização. Não é uma agremiação ao redor de gostos comuns. Não é uma reunião de pessoas parecidas. O cristão não congrega para satisfazer expectativas emocionais ou carências afetivas. O fundamento da comunhão é mais simples e mais sério do que se pode imaginar. Reanime-se à vida comunitária e redescubra a comunhão dos santos.



9 de abr de 2015 | By: @igorpensar

Dietrich Bonhoeffer

Como hoje celebra-se a memória do mártir Dietrich Bonhoeffer, não poderia deixar de mencionar o profundo impacto deste pastor luterano sobre minha espiritualidade e visão de igreja. De modo sintético, deixo que ele fale em um de seus textos que mais me impressionaram:
"Entre meu próximo e eu está Cristo. Por esta razão, não me é permitido desejar uma comunhão direta com meu próximo. Somente Cristo pode ajudá-lo, como somente Cristo pode me ajudar. Isto significa que devo renunciar minhas intensões apaixonas por manipular, forçar e dominar meu próximo. Meu próximo deve ser amado tal como é, independente de mim, ou seja, como aquele por quem Cristo se fez homem, morreu e ressuscitou; a quem Cristo perdoou e destinou à vida eterna." (Vida em Comunhão - D. Bonhoeffer).
Foi assim que descobri que Cristo é o mediador de toda comunhão. A falta de comunhão não é por falta de confraternizações eclesiásticas, mas por falta da centralidade de Cristo entre eu e aquele que comunga comigo do pão e do vinho que Jesus oferece.
8 de abr de 2015 | By: @igorpensar

Facetas Sutis do Legalismo

Keller* está certo, sempre temos camadas e mais camadas de auto justificação. Podemos fazer objeções justas a irmãos moralistas que querem obter benefícios salvíficos pelo desempenho moral. Mas, mesmo aqueles imersos em teologia reformada (como eu) podem se vangloriar de um tipo de segurança religiosa pela via cognitiva ou "ortodoxia morta" (Bavinck). Irmãos emocionalistas -- alguns (neo)pentecostais -- podem estar em busca de uma justificação pela experiência afetiva, caindo em uma espécie de idolatria sentimentalista. A verdade é que devemos ser frequentemente expostos ao Evangelho, pois a "salvação pelas obras" e o "legalismo" tem facetas muito mais sutis e versáteis na arte de nos iludir e perdermos a suficiência da obra de Cristo. Que afeto, cognição e moralidade se curvem diante da obra justificadora de Jesus.
 
*Igreja Centrada, p. 65.
7 de abr de 2015 | By: @igorpensar

A Alma do Orante

Silenciosa encontra-se a alma do orante.

Quieta porém aquecida.
Branda porém fascinada.
Deus está distante?
Ele não é contido por nada.
Ele é a causa de tudo e do nada.
Diante dEle não há tempo ou espaço.
Perante Ele há apenas comunhão.
Encontro marcado: Eu, Tu e Nós.
Pai nosso, em comunhão contigo e com os santos.
Sem tempo e espaço.
Nossa comunhão é no Cristo morto e ressuscitado.
Nos encontramos em um único evento, aquele que é eterno.

Continua silenciosa a alma do orante.

Calada e arrebatada de amores por Ti.
Em chamas apareces, a alma em pé agora quase desfalece.
Desmaia-se, até ser tomada pela brandura do Espírito Santo.
Ergue-se e é acolhida por um olhar penetrante.
Nada escapa, nenhum segredo, nenhum pecado.
Tudo é nitidamente iluminado por Ti.

Perdoada a alma se aquieta, e encontra-se novamente silenciosa.

Sim, silenciosa encontra-se a alma do orante.
31 de mar de 2015 | By: @igorpensar

Não Coagula

Semana de intensa reflexão pascal. Corações aquecidos pelo reunião comunitária ao redor do Cordeiro de Deus. Mentes cativas pela paixão e ressurreição. De fato, o cristianismo é uma fé assombrosa, vai de encontro a todas as previsões e divagações.

Os zelotes esperavam uma revolução política, os fariseus uma reformador, os essênios o restaurador do Templo, os saduceus pouca coisa esperavam. Em meio a trevas teológicas, ergue-se o filho de Davi surrado e respingando sangue. Em tosca e farpada cruz levanta-se o Verbo e o Unigênito de Deus.

Que escândalo! Que dor! Nossa fúria, nossa inimizade contra Deus devoraram sua carne. Mas, em cada gesto de violência sobre o galileu Deus salvava o mundo. Cada ação violenta produzia uma reação misericordiosa. Jesus inaugurou com sua cruz a regeneração, a conversão, a fé, a justificação, a adoção, a santificação e a glorificação. Tudo estava lá contabilizado. Da última vez que um cristão orou autenticamente, que se colocou graciosa e providencialmente de joelhos em nome de Jesus, lá na cruz este evento estava contabilizado.

O sangue da cruz não coagula, continua fresco, respingando sobre cada pessoa que no Cristo descansa de suas fadigas.