24 de out de 2010 | By: @igorpensar

Jesus o Construtor

Por Igor Miguel

[Para baixar em PDF clique aqui].

Os evangelhos mencionam que Jesus era filho de um "carpinteiro", o que no contexto da cultura judaica significava que ele mesmo, o próprio Jesus, também o era. Uma responsabilidade do pai judeu era ensinar uma profissão ao filho (Talmud, tratado Kedushim 4a e Midrash Shemot Rabá 28:2). Uma profissão associada ao estudo das Escrituras (Torá) era considerada uma virtude, como observa a tradição: "Uma excelente coisa é o estudo da Torá combinado com alguma ocupação [...] todo estudo da Torá sem trabalho se tornará no fim fútil e a causa do pecado" (Avot II, 2).

A palavra grega que está no original dos evangelhos, traduzido por "carpinteiro", é o termo tektôn [τεκτων] que é uma expressão genérica para uma profissão que envolve todo tipo de arte e construção. Um tekton poderia ser um ferreiro, pedreiro, artista ou um engenheiro, o correspondente hebraico seria charásh [חרש] que é usado no Antigo Testamento para as diversas profissões ligadas ao artífice em geral (I Sm 13:19; II Sm 5:11; I Rs 7:14; II Rs 22:6; Os 13:2).

Seria perfeitamente aceitável que Jesus e seu pai fossem envolvidos com a construção e edificações. Talvez daí, entendemos a frequência com que textos ligados à construção e edificação estejam sempre associados à relação de Jesus e a sua Igreja (I Pe 2; Hb 10:19-24; Ef 2:17-22). O próprio Jesus faz uso desta linguagem, quando disse para Pedro:

Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. (Mt 16:18).

Jesus Cristo é o grande edificador, não somente isto, ele é o próprio fundamento de onde a Igreja se ergue como comunidade que abriga o Espírito Santo. Ao menos esta é a linguagem que encontramos no seguinte texto:

[...] vindo, evangelizou paz a vós outros que estáveis longe e paz também aos que estavam perto; porque, por ele, ambos temos acesso ao Pai em um Espírito. Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito. (Ef 2:13-22).

O apóstolo Paulo após falar sobre o poder de Cristo e seu sacrifício em criar uma uma unidade misteriosa entre judeus e gentios, afirma que o evangelho (a boa nova) anunciou shalom (paz) aos que estavam longe, ou seja, as nações (hb. goyim - estrangeiros), e aos que estavam perto, isto é, os judeus. Shalom [שלום] aqui deve ser compreendido para além do sentido de "ausência de conflito", o termo hebraico significa: prosperidade, saúde, estabilidade, tranquilidade, firmeza, justiça e outras expressões que estão semanticamente ligadas ao termo. A boa nova (o evangelho) é a proclamação da shalom do Reino nos termos dos profetas (Is 66:12), um Reino futuro, mas que pode ser antecipado em Cristo por sua Igreja. Um dia futuro em que todos os povos, línguas e nações, se integrarão no Israel de Deus, se torna uma realidade presente no igual acesso que ambos (judeus e gentios) possuem em Cristo na Igreja Invisível.

Na Igreja todas as distinções étnicas, sexuais, hierárquicas, distinções importantes na dinâmica da vida vocacional, se desfazem perante o Pai. Pois quando o pai se dirige a um ex-pagão, não o vê como tal, mas o contempla como contempla seu Filho (Jesus). Por isto, na unidade de todos os santos em Cristo no Espírito Santo, em especial quanto aos gentios (não-judeus), Paulo conclui: "Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus." (v.19).

Jesus já tinha dito que edificaria sua Igreja, esta comunidade maravilhosa, cheia de pessoas esperançosas, com corações cativos por este amor. Uma grande família de Deus, onde ninguém é estrangeiro (hb. gêr). O construtor Jesus Cristo, agora se integra à construção, sendo ele a pedra angular (v.20).

O que significa ser pedra angular? Em grego o termo usado é akrogoniaiós [ακρογωνιαιος], seu correspondente hebraico é rosh piná [ראש פינה]. Paulo neste texto recorre ao salmo 118:22 interpretado profeticamente que diz: "A pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal pedra, angular." Texto que Jesus tinha usado em Mt 12:10 se referindo indiretamente a ele.

A pedra angular é uma pedra posicionada estrategicamente em determinada parte da estrutura de uma construção, com o fim de equilibrar as partes que a compõe. Um exemplo bem ilustrativo é seu uso na construção de arcos de pedra. Nestas edificações, arcos eram construídos com blocos de pedras pré-moldados, que se encaixavam sem o uso de argamassa, e mantinha-se em equilíbrio, sendo a pedra angular, a pedra em forma de cunha que se encaixava precisamente na parte superior do arco, entre uma metade e outra dos blocos de um arco, mantendo o equilíbrio físico da estrutura.

Baseado nisso, o texto de Paulo começa a tomar forma. A família de Deus é edificada sobre o fundamento dos profetas e apóstolos, que é o testemunho da Antiga Aliança e da Nova Aliança. A atividade profética e a atividade apostólica, a narrativa da Bíblia Hebraica (Antigo Testamento) e do Novo Testamento, convergem para a pedra angular, para Cristo, a pedra que os construtores rejeitaram, o que se encaixa, assim, perfeitamente na profecia e em seu cumprimento.

A Igreja só pode crescer, se estiver bem ajustada nas Escrituras, no testemunho dos profetas e dos apóstolos, centrados em Cristo. Não é um conhecimento literário, uma apreensão teológica a respeito das Escrituras, isto não é suficiente. A Igreja é uma comunidade edificada, construída na revelação proclamada pelos profetas e ensinada pelos apóstolos, porém sob a perspectiva e o ajuste de Jesus Cristo. Se Cristo for tirado do centro, a edificação se desmorona, e as palavras das Escrituras se tornarão apenas conhecimento literário.

Em Jesus Cristo, o construtor, a pedra angular: "... todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito." (v.21 e 22).

Sim! Jesus Cristo é a pedra, a rocha rejeitada, desprezada, mas que completa o "quebra-cabeças". Jesus é o testemunho definitivo, aparentemente insignificante, mas a única peça que se encaixa precisamente no que os profetas falaram e era ele o sentido final da missão dos apóstolos.

Por isto o apóstolo Pedro, cujo nome ironicamente significa pedra, afirma:

Chegando-vos para ele, a pedra que vive, rejeitada, sim, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa, também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo. Pois isso está na Escritura: Eis que ponho em Sião uma pedra angular, eleita e preciosa; e quem nela crer não será, de modo algum, envergonhado. Para vós outros, portanto, os que credes, é a preciosidade; mas, para os descrentes, a pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal pedra, angular e: Pedra de tropeço e rocha de ofensa. São estes os que tropeçam na palavra, sendo desobedientes, para o que também foram postos. Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; vós, sim, que, antes, não éreis povo, mas, agora, sois povo de Deus, que não tínheis alcançado misericórdia, mas, agora, alcançastes misericórdia. (I Pe 2:4-10).
Uma grande comunidade está sendo edificada em Cristo. Aqueles que rejeitam a pedra, tropeçam nela, se torna rocha de escândalo. Entretanto, para os santos, Jesus Cristo se torna o fundamento, a pedra angular, para quem convergem os profetas e os apóstolos, sendo Ele, o núcleo de onde a Igreja cresce e todos os santos na unidade do Espírito. Deixamos assim de ser pagãos, assimilados pelo pecado, para sermos inseridos, na comunidade eleita, a comunidade sacerdotal, a casa espiritual: a Igreja.

3 comentários:

Ferreira disse...

Olá Igor!

Tiago disse: 'Irmãos, estas são as palavras que disseram os profetas: "Reedificarei o tabernáculo de Davi, que está caído".
Qual é o tabernáculo de Davi? Existe o tabernáculo de Moisés, o templo de Salomão, a reconstrução do templo, e o templo de Herodes no tempo do Senhor Jesus.
Então, qual é o tabernáculo de Davi?

“O verbo se fez carne e ARMOU seu tabernáculo entre nós” (Jo 1,14).

Ferreira

@igorpensar disse...

Olá Ferreira,

Restaurar o tabernáculo caído de Davi é restaurar o "sonho davídico" de fazer uma habitação de Deus entre os homens. A encarnação é parte deste processo, tendo seu ápice na restauração do Novo Céu e Nova Terra, quando o tabernáculo celestial se estabelecerá novamente na criação (Ap. 21).

Obrigado pela pergunta.

Abraços!

paldso1 disse...

Igor...

Em Mateus 16:18 Quando diz:"Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei minha Igreja". Nunca pensei de fato que Cristo estaria se referindo-se diretamente à Pedro, mas imaginando que... apontando-lhe o dedo, Ele diz: Tu és Pedro, e referindo-se a si mesmo, Ele diz: Sobre esta rocha edificarei minha Igreja.
Por favor, como conhecedor você pode responder a raiz destas palavras e significados?