31 de mar de 2015 | By: @igorpensar

Não Coagula

Semana de intensa reflexão pascal. Corações aquecidos pelo reunião comunitária ao redor do Cordeiro de Deus. Mentes cativas pela paixão e ressurreição. De fato, o cristianismo é uma fé assombrosa, vai de encontro a todas as previsões e divagações.

Os zelotes esperavam uma revolução política, os fariseus uma reformador, os essênios o restaurador do Templo, os saduceus pouca coisa esperavam. Em meio a trevas teológicas, ergue-se o filho de Davi surrado e respingando sangue. Em tosca e farpada cruz levanta-se o Verbo e o Unigênito de Deus.

Que escândalo! Que dor! Nossa fúria, nossa inimizade contra Deus devoraram sua carne. Mas, em cada gesto de violência sobre o galileu Deus salvava o mundo. Cada ação violenta produzia uma reação misericordiosa. Jesus inaugurou com sua cruz a regeneração, a conversão, a fé, a justificação, a adoção, a santificação e a glorificação. Tudo estava lá contabilizado. Da última vez que um cristão orou autenticamente, que se colocou graciosa e providencialmente de joelhos em nome de Jesus, lá na cruz este evento estava contabilizado.

O sangue da cruz não coagula, continua fresco, respingando sobre cada pessoa que no Cristo descansa de suas fadigas.
27 de mar de 2015 | By: @igorpensar

Domingo de Ramos

De acordo com o calendário cristão, o próximo domingo (dia 29), o que antecede a páscoa, é o Domingo de Ramos.  Neste dia rememora-se a entrada triunfal de Jesus montado em jumento em Jerusalém (Mc 11:1-11).  Peregrinação rumo a sua paixão e crucificação.

Jerusalém está cheia de peregrinos, a Páscoa Judaica é uma das festas de peregrinação (Dt 16:16).  Jesus é recebido com o Salmo 118, o salmo de romagem entoado aos peregrinos  que passavam pelos portões de Jerusalém.   Um salmo cantado pela realeza, sacerdotes, levitas e todo o povo (v.1-4).  Um cântico responsivo.

O salmo e a entrada triunfal de Jesus em um jumento formam um quadro harmônico, uma performance do drama messiânico com trilha sonora.  O rei retorna de suas batalhas, escapa de seus inimigos  por muito pouco: "Todas as nações me cercaram, mas eu as destruí em nome do Senhor" (Sl 118:11). Sim, o Rei quase sucumbiu, afinal, "empurraram-lhe com força para derrubá-lo" (v.13).  Mas, ouviu-se o brado messiânico: "não morrerei; pelo contrário, viverei e anunciarei as obras do Senhor" (v. 17).  É verdade, ele foi castigado e ferido (Is 53), como bradou aos porteiros da cidade “O Senhor me castigou duramente, mas não me entregou à morte” (v.18), ele ressuscitou, ou melhor, ressuscitaria!  

Diante dos portões, brada o Ungido: “Abri as portas da justiça para mim, para que eu entre por elas e renda graças ao Senhor.” (v.19), os porteiros respondem: “Esta é a porta do Senhor; os justos entrarão por ela” (v.20), Jesus acertou a senha! 

Os portões se abriram e desta forma entrou “a pedra angular” (v.22), no “dia que o Senhor fez” (v.24).  Já dentro da cidade, é dito ao Rei Messias: “ana Adonai, hoshiah na” (Oh Senhor, salva-nos!), o famoso “hosana!”.  Sim, abençoam os sacerdotes ao Rei Messias: “Bendito o que vem em nome do Senhor! Nós vos abençoamos da casa do Senhor.” (v.26).

Assim, fazem um tapete de vestes e ramos, pois foi dito: “preparai a festa com ramos até as pontas do altar” (v.27).  Quão grande salvação! (v.21), por isso, repete-se o início do cântico (v.1): “Rendei graças ao Senhor, pois ele é bom; seu amor dura para sempre!” (v.29).
20 de mar de 2015 | By: @igorpensar

Cristianismo Total 2015


Vira crente rapá!

O cristianismo é uma visão de mundo.  Implica em uma postura diante da realidade.  Tem implicações existenciais absurdas, é verdade, porém tem implicações éticas e públicas igualmente muito sérias.  Sei que cristãos ainda vivem sob uma espécie de cativeiro secularista, algo que se reflete naquela tensão: a fé que se prega e a fé que se vive.

As críticas honestas da parcela não cristã da sociedade tem um fundo -- às vezes não tão fundo assim -- uma verdade: ele é crente mas dá cheque sem fundo.  Claro, isto pode resultar em uma falácia: ele dá cheque sem fundo porque é crente.  Inconsistente, claro.  Porém, fato é: as pessoas percebem um contrassenso em alguém que se diz cristão e age de forma inescrupulosa.  Afinal, é o que não se espera de alguém que se associe ao nome de Cristo.

Claro, isto se deve muito a uma série de movimentos que torna o cristianismo dessas pessoas frágil e inconsistente.  Mas vale a pena dizer que uma pequena olhadela na história, sem a narrativa ideologizada e secularista, será surpreendente.

Mas o que importa é afirmar que cristãos realmente crentes brilham com uma intensidade impressionante.  Lembro-me da história de meu amigo Froiid Caco​, na ocasião, não era cristão, e que debochava de um colega de trabalho "crente", ironizava-o, até que jogou um avental na cara dele.  O rapaz, ao invés de apelar, simplesmente, controlou-se e continuou seu trabalho.  Bem, ali estava um cristão reagindo de forma cristã à ofensa.  Resultado? Por causa disso, Foiid também virou crente e hoje ensina arte pra crianças socialmente vulneráveis e espalha sua presença cristã pelo mundo.

Então, é disso que estou falando.  Cristãos precisam ser mais cristãos, e se seu cristianismo tornou-se sem sabor, não salga mais, converta-se do nominalismo para Cristo mesmo.  E, você não-cristão, continue exigindo de seus vizinhos e amigos cristãos que o sejam: o mundo agradece.
13 de mar de 2015 | By: @igorpensar

Repentina Estreia

Então imagine a cena: todos vivendo suas rotinas, e lá vai ele, um cristão ordinário, junto a suas tarefas diárias. Liberto dos ideais de sucesso, de projetos fúteis e secularizados de felicidade. É verdade, ele vê a deformidade, a feiura, mesmo quando seu mundo parece esteticamente limpo, como em ruas civilizadas, mas tudo é excessivamente árido, impessoal e frio. Mesmo assim, ele vê a vida pelas lentes da esperança, realista é verdade, mas ele espera. Pacientemente espera um dia quando a tela se rasgará, o véu se romperá e tudo ruirá à voz estrondosa. Sim, as cortinas da nova realidade se abrirão! Então, o real de outrora se parecerá uma ilusão, uma apática e entendiante sombra.

Naquele dia, uma luz de doer invadirá o mundo, neste dia, tudo será muito rápido, repentino, não haverá tempo para artimanhas, brincadeiras conspiratórias e engenharia social. Ela descerá pronta, a Cidade de Deus virá edificada com sangue de mártires e com orações de santos. Naquele dia, tudo que não foi feito sobre fundamento eterno, se tornará transitório e se dissolverá. Só haverá uma cidade e um trono. Até as experiências antes consideradas mais concretas, se tornarão utopias diante da densidade desta nova realidade. Nela se ouvirá a Canção de Moisés e a Canção do Cordeiro. A justiça e a misericórdia serão seu fundamento.

Bem, é bem assim, que um cristão toma seu café e sai para o trabalho todos os dias: apenas esperando as cortinas se abrirem e um novo mundo fazer a sua estreia.

"Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo" (Apóstolo Paulo, Tt 2:13).