8 de mar de 2010 | By: @igorpensar

Pecado é Entropia, o Reino é Potência

Por Igor Miguel

Este final de semana, tive um diálogo muito frutífero com meu amigo Aender Borba, autor do blog psi-cultura. Ouvi-lo falar sobre a existência do trabalho antes da "queda do homem" e da falsa crença associada ao cristianismo, de que o "trabalho é uma maldição do pecado", foi muito inspirador. Como somos bons parceiros de reflexão filosófica, teológica e psicológica, e este é nosso universo, "viajamos" um pouco e chegamos a uma conclusão interessante.

Falávamos sobre entropia, termo usado na física para se referir uma grandeza da termodinâmica, que é responsável pela perda de energia inerente a alguns processos físicos, como o trabalho.

Quando a Bíblia fala que o homem "cultivava" o Jardim do Éden, o termo hebraico encontrado lá é laavdá - לעבדה - o verbo "trabalhar" em hebraico. Este verbo, como muitos verbos em hebraico, é derivado do substantivo avodá - עבדה - que literalmente pode ser traduzido por trabalho. Desta forma, dentro da narrativa bíblica, nos deparamos com um indício teológico consistente de que existia trabalho e cultura antes da queda. O que significa que a concepção de que o "trabalho" é uma espécie de maldição, após o surgimento do pecado, é uma grande falácia.

O que mudaria então? A relação ou a forma como o homem lidaria com o trabalho desde então. Por isso o texto diz:
"No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás." (Gn 3:19).
Já tinha lido este texto milhares de vezes, sem contar as vezes que o ouvi. Porém, um detalhe me chamou a atenção, ao ouvir o Aender palestrando, foi o destaque que ele deu ao termo "suor". No mesmo instante, me veio a pergunta (em um estilo bem judaico de pensar): Por que suamos? Adão não suava antes? Por que não? Claramente me veio um insight!

O suor é um sintoma da entropia. Ele serve para retirar parte da energia investida em trabalho. Como o corpo humano não resiste temperaturas acima de determinados limites, a transpiração dá um tratamento termorregulador a esta energia "extra". Ou seja, o homem transpira porque não consegue aproveitar eficientemente 100% de sua capacidade de trabalho. Toda energia aplicada a um determinado trabalho, em parte, é desperdiçada.

A conclusão inevitável é que o pecado é "entrópico", o que significa que ele drena a capacidade humana de administrar sua força de trabalho, ele impede a fluidez e a distribuição apropriada de todo potencial criativo do homem.

Agora, ao inverter esta lógica. Se a queda resultou em comprometimento da capacidade criativa do homem, logo, o homem antes da queda aproveitava 100% desta capacidade. O que significa, que um esforço relativamente "pequeno" de Adão, podia resultar em efeitos criativos realmente assombrosos. Estou especulando, mas me parece uma lógica coerente.

Esta reflexão, permite uma analogia curiosa. O termo avodá (trabalho) também pode ser aplicado à adoração ou serviço. Há várias referências do uso do substantivo (e o verbo derivado dele) aplicadas à adoração, dando a ideia de "serviço religioso" (Ex. 10:26, Nm 3:7; 4:30; Dt 4:28 - relacionado à idolatria).

Em uma perspectiva judaico-cristã, não há dicotomia entre "trabalho" e "culto", entre "criatividade" e "liturgia". Toda ação realizada por um filho de Deus, deveria ser encaradas como um serviço/culto, pois remete ao Deus criativo, permitindo que o homem espalhe as impressões do Criador no mundo.

O pecado fez uma separação entre a "ação criativa" e o "sagrado". Ruptura que trouxe consequências desagradáveis e grande parte dos desconfortos humanos giram em torno disso.

Jesus falou muito sobre o Reino de Deus. Uma dimensão simultaneamente presente e apocalíptica, que permitiria os servos de Deus viverem gradualmente todo potencial da vida. A promessa de vida abundante anunciada por Jesus tem haver com isso.

Neste sentido, o texto que mais chama a atenção é o que se segue (Mateus 6:24-33):
Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas. por isso, vos digo: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes? Observai as aves do céu: não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo, vosso Pai celeste as sustenta. Porventura, não valeis vós muito mais do que as aves? Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da sua vida? E por que andais ansiosos quanto ao vestuário? Considerai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham, nem fiam. Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós outros, homens de pequena fé? Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos? Porque os gentios é que procuram todas estas coisas; pois vosso Pai celeste sabe que necessitais de todas elas; buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.
As partes em negritos foram destacadas propositalmente. Pois são palavras e expressões para se compreender a radicalidade do discurso de Jesus neste texto. Observe o uso dos termos "servir" e "trabalhar".

O que Jesus está propondo é um estilo de vida radicalmente novo. Pois sua concepção de vida está para além do "comer" e do "beber". Ele destaca que existem seres na criação que são sustentados por Deus, sem "entropia", sem desperdício de energia. Há 100% de aproveitamento em todos esforço realizado por estes seres. Por isso nada lhes falta. E o homem?

O homem pretensamente autônomo não tem acesso à lógica do "Reino" e da "Justiça", vive alheio a isto. Dobra-se à tirania dos ídolos de seu tempo e não consegue perceber que é escravo, que sua capacidade criativa, sua energia está sendo drenada para prestar um serviço perverso à um sistema de morte.

Mas, quando Cristo transporta algum homem do "Império das Trevas" para o "Reino do Filho do seu Amor", este homem vive uma nova realidade e uma nova potência cultural, ele experimenta o que os apóstolos e Jesus chamavam de poder (hb. guevuŕa, gr. dynamis).

O poder de Deus expande a capacidade criativa de seus filhos. A plenitude disso, só acontecerá com a ressurreição, porém, entre os santos (como pode-se ver pelas várias demonstrações de poder pelos discípulos de Jesus narrados nos evangelho e em Atos dos Apóstolos), há uma lógica antecipatória. Por isso é possível que homens redimidos em Deus, cultivem jardins de criatividade, imprimindo no mundo música, trabalho, sabedoria, ciência, cura e conhecimentos melhores, caindo na graça do mundo.

No Reino, homens com um cajado dividiram águas de um mar, outros fizeram machados flutuar, venceram exércitos numerosos, compuseram provérbios, andaram sobre as águas, distribuíram bens entre os necessitados, cegaram charlatões religiosos, fulminaram iníquos e trouxeram justiça. A história não acabou até que todos os filhos de Deus se revelem!
Pois a criação está sujeita à vaidade, não voluntariamente, mas por causa daquele que a sujeitou, na esperança de que a própria criação será redimida do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus. (Rm 8:20-21).
Pecado é Entropia, Reino de Deus é potência.

10 comentários:

Marcos Almeida disse...

MARAVILHA! Passar um tempo pensando sobre isso!

Deus esteja, meu mano querido!

Abraço demorado.

Marcos Almeida

izidro disse...

opa meu irmão gostei muito do seu blog! ótimo conteúdo! se puder visite o meu se chama karapuça com tiras de humor! visita lá! http://www.karapuca.blogspot.com/

@igorpensar disse...

Tudo bem, vc pode postar o link do seu blog. Mas, o que você achou do conteúdo? Faça um comentário relevante...

Thaís Oliviera disse...

Muito interessante esse post. Já ouvi várias vezes que o trabalho é resultado do pecado do homem. Isso traz uma nova visão. O trabalho sempre existiu, só que com a queda do homem, ele seria diferente; seria realizado através de muito esforço...
Esse texto me fez pensar muito...
O pecado significa separação. Só que nosso Deus é tão maravilhoso que enviou seu Filho para que essa barreira não existisse mais.

Infelizmente as igrejas têm priorizado outras coisas, outros ensinos. Não somos levados a pensar e refletir sobre os textos bíblicos. As pregações vêm com ponto final. "É daquele jeito e pronto".
Com certeza o que te levou a refletir sobre esse assunto não foram as afirmações do seu amigo e sim, a reflexão feita num espaço aberto a isso.
Precisamos de mestres que nos levem a refletir, e não repetir suas idéias e pensamentos.
Deus abençoe.

@igorpensar disse...

Olá aluna!

Tudo bem? Quanto tempo! Obrigado por seu comentário. Os discípulos de Jesus precisam mudar sua visão de mundo, sua percepção da realidade. Sem reproduções, sem cópias, mas vive fé cristã com autenticidade. Fundamentada, na lei, nos profetas, nos apóstolos e na boa tradição!

Abraços!
Igor

PARE & PENSE disse...

Muito bom! Vc é o chamado.

Gisele Aparecida disse...

É, Igor... Seu texto só me faz ter certeza de que realmente não podemos nos esquecer em nenhum momento de que trabalhamos para o Reino em todo o tempo, mesmo qdo estamos "trabalhando".
O Reino não se constrói com fantasmas ou seres totalmente "espirituais", mas com humanos que honram o privilégio de serem parte ativa na criação, com gratidão pela capacitação dada por D'us para que aprendamos ofícios que vão servir não só a nós mesmos, mas à comunidade.
Muito bom!
Gisele.

@igorpensar disse...

Pois é Gi, pessoas integrais, manifestando integralmente o Reino de Deus!

Anônimo disse...

Hola Igor. Interessante este artigo!!! Dios te bendiga mucho.

Pr. Arcanjo Neto, desde Espanha.

adriano santo disse...

Parabéns pela postagem!

Esclarecedora!

Tenho estudado sobre o pecado na vida do homem, depois dá uma olhada em www.sendoedificado.com.

Shalom!