5 de jan de 2017 | By: @igorpensar

Casamento x Romantismo

Casamento não é uma instituição romântica. O romantismo é um movimento de apenas 250 anos. O casamento existe antes disso. O casamento é prioritariamente o lugar onde uma comunidade se forja sob outros critérios. E, se você confunde afeição, amor e expressões de afago com romantismo, que é a meu ver, um tipo de soteriologia (doutrina da salvação), pode ser um importante indício de seu cativeiro.

Casamentos estão aos cacos ou acabando porque as pessoas ainda estão cativas do romantismo. Alain de Botton* insiste que as "pessoas casam para fazerem um sentimento legal permanente", querem engarrafar a "alegria que sentem". A honestidade de Botton é perturbadora mas realista: "Escolher com quem nos comprometeremos é meramente um caso de identificar que tipo de variedades de sofrimentos nós gostaríamos mais de nos sacrificar", mas o sacrifício é inescapável no casamento. E, se você, já quer correr dele, veja se sua mente não está acorrentada a uma invenção cultural de menos de três séculos.

Um pouco de realidade ajuda muito o casamento. Não é um "encaixe" perfeito onde demandas são satisfeitas, é um lugar onde nos tornamos maiores do que nossas demandas exigem, mas nunca sem negação de si, sem renúncia e sem sacrifício. O contrário disso é um eterno jardim de infância criado pela imaginação romântica. Casamento não salva mas é o melhor lugar para nos tornarmos adultos.