28 de abr de 2010 | By: @igorpensar

Bipolaridade Espiritual

Por Igor Miguel

Amo analisar como cristãos compreendem o mundo a seu redor. Claramente se pode diagnosticar a visão de mundo de um cristão ou de qualquer pessoa por máximas que saem de seus lábios. Há alguns dias ouvi de uma pessoa evangélica: "A oração é para o mundo espiritual e o dinheiro é para o mundo material". Minha consciência se afligiu imediatamente, senti uma dor no estômago e não consegui parar de pensar nesta afirmação. Estava diante de um homem que sofria de bipolaridade espiritual.

Qual é o problema desta frase? Fiquei pensando no tipo de cristianismo que este sujeito anda recebendo. Fiquei pensando nos pastores que o ensinam e o doutrinam. Fiquei pensando nas músicas que ele ouve, ou nos livros que lê, se lê. Ou ainda o pior, como ele lê a Bíblia? Enfim, em que Cristo este cristão crê.

Não questiono sua salvação. Mas, fico pensando quão perversa é a forma como alguns ditos seguidores de Jesus vivem e pensam.

Todo problema reside na visão de vida. Há pessoas que entregaram a vida nas mãos do dinheiro, empurraram a vida do Governo de Deus para uma outra coisa. Restringiram o governo de Deus a uma realidade virtual, criaram uma esfera metafísica, translúcida e imaginária, onde Deus atua, e excluíram Deus da própria santidade da vida.

Como se não houvesse espiritualidade na própria vida, a vida como um todo; como se comer, vestir, trabalhar, comercializar, amar, estudar, fossem dimensões autônomas, seres animados, demiurgos, energias cósmicas ou espíritos elementares. Deram tanta autonomia às coisas criadas que a oração não alcança o dinheiro, a deusa fortuna, torna-se senhora, ídolo. Deus não tem competência para lidar com a vida. Não tem competência para lidar com realidade da dimensão humana, ao contrário, está restrito à liturgia eclesiástica, aos coros, ao universo gospel, aos púlpitos. Por isso, para eles, fora da Igreja quem governa é o cão, é Mamom, são os encostos, a corrupção política e a imoralidade.

Ora, este não é o Cristo que creio, não é o Senhor a quem foi dado todo poder nos céus e na terra. Se é Senhor, governa, tem a chave da morte e do inferno, pois é Senhor da Vida. Senhor de toda vida. Não há nada que não esteja sob sua jurisdição, sob égide de seu poder. Tudo se dobra diante dEle, potestades, principados, tudo se curva.

O problema é que a vida foi achatada, segregada, colocada em um gueto, como se espiritualidade fosse uma coisa manca, sem criatividade, sem vitalidade. Um fóssil enterrado à sete palmos de dogmas, cânticos e orações cheirando a mofo. Ora bolas! Que fé é esta? Quem pregou este evangelho? Com certeza não é esta a boa-nova que saiu dos lábios do Messias judeu, não foram estas as palavras que saíram de Sião e espalharam-se por toda terra.

Jesus criou uma escola da vida, do carisma, da criatividade, de homens que coloriram o mundo com a vitalidade, que proclamavam liberdade na terra, como no Ano do Jubileu, onde prisões eram abertas e cartas de alforria eram distribuídas.

Até quando veremos cristãos restringindo todo potencial criativo de Deus ao gueto de uma espiritualidade quase esotérica, mística e hermética. Até quando se pode tolerar um mundo animado por Gaia, regido por avatares, energias cósmicas?

Ora, o mesmo Deus que criou, criou com palavras, com decretos, para por meio de sua ordem sustentasse toda existência em torno do que Ele é. Toda existência deve reverenciá-lo e reconhecê-lo como Senhor de toda Vida.
Fez a lua para marcar o tempo; o sol conhece a hora do seu ocaso. Dispões as trevas, e vem a noite, na qual vagueiam os animais da selva. Os leõezinhos rugem pela presa e buscam de Deus o sustento; em vindo o sol, eles se recolhem e se acomodam nos seus covis.Sai o homem para o seu trabalho e para o seu encargo até à tarde. Que variedade, SENHOR, nas tuas obras! Todas com sabedoria as fizeste; cheia está a terra das tuas riquezas. (Salmo 104:19-24).

10 comentários:

Jorge Fernandes Isah disse...

Igor,

interessante que cada vez mais a igreja se torna um gueto onde o mundo reina.

Os cristãos dizem não viver no mundo, mas não o tiram da cabeça... ou melhor, do coração.

Então, para quê a Palavra de Deus? Ela é complexa, confusa, e escrita para homens de 2.000 anos atrás. Essa mentalidade,ainda que não expressa nestes termos, é o pensamento da maioria quando confrontados com a sua carnalidade.

De certa forma, essa é a bipolaridade irracional a qual você alude. E, infelizmente, para esse tipo de "cristão", Deus não tem nada a lhe dizer, porque os seus ouvidos estão atentos apenas no som da própria voz, e surdos para a divina.

Excelente a sua análise. Gostaria, se possível, a autorização para reproduzi-la em um dos meus blogs.

Grande abraço!

Cristo o abençoe!

@igorpensar disse...

Fala Jorge,

Tudo bem? Como sempre é uma enorme honra tê-lo por aqui, como sempre. Você está super autorizado a postar por lá. É bom encontrar pessoas que compartilham da mesma angústia e esperança.

Abraços!

Paulo Dib disse...

Fala primo...
Gostei muito deste post, retrata bem a realidade que alguns segmentos evangélicos vivem hj.

É a eterna mania ocidental de setorizar a vida humana, de separar o "sagrado do secular".

No meu ponto de vista esse tipo de pensamento é muito pobre! Para alguém que realmente entregou sua vida a Jesus não há como fazer a distinção sagrado/secular. Tudo pertence a Ele, inclusive as atividades que julgamos banais como comer e vestir.

Sem contar que o dinheiro é mais espirutal do que as pessoas imaginam, pois a nossa relação com ele afeta diretamente nossa relação com Deus.

Se somos nós quem dominamos o dinheiro e usufruímos do que ele pode oferecer, e o administramos de maneira bíblica, certamente teremos uma vida equilibrada e esses recursos serão usados em prol do Reino, uma vez que sujeitamos tudo ao Senhor. Porém, se o dinheiro nos domina... estamos diante de dois senhores, e é impossível agradar aos dois.

O dinheiro é um ótimo servo, mas um péssimo senhor!!

Não é à toa que encontramos mais referências bíblicas sobre dinheiro do que sobre oração, por exemplo, pois Deus sabe exatamente os efeitos que o amor ao dinheiro podem surtir em um homem.

Oremos para que os olhos da Igreja se abram para enxergar a realidade espiritual da forma como ela é, ou seja, plena e não parcial. Que os cristãos entreguem de fato tudo a Cristo, e não apenas algumas partes.

Até +

Abraço

@igorpensar disse...

Primo Dib,

Mano. Fiquei emocionado ao ler suas palavras. Se ao menos existisse alguns mais que pensam como você. Como te falei nesta semana, me alegra saber que você tem se encaixado vocacionalmente na área do ensino. Fico muito feliz com isso! Desde o primeiro dia que te conheci vi em você uma inclinação para a maestria. Que Deus, por meio de sua graça, continue operando em você o querer e o efetuar, até que você alcance aquilo que Ele designou para sua vida e ministério.

Belíssimo comentário! Estamos juntos na missão de ver o governo do Messias instaurado sobre o todo da vida.

Queremos ser uma marca positiva para as gerações. disse...

Igor por favor, me informe qual é o nome do cara que criou a doutrina dos particulares e universais, assisti uma aula sua a esse respeito e gostaria de saber o nome do tal filosofo, se possivel me responda no e-mail: anapaulasodasi@hotmail.com, muita paz. Desde já muito grata.

@igorpensar disse...

Olá Ana Paula,

A divisão entre universais e particulares foi desenvolvida por Socrates, porém, a alcunha ficou com Platão. Mas, quem disseminou este dualismo no ocidente foi a escolástica por meio de Tomás de Aquino. Vale a pena ler algumas obras sobre o assunto e como a espiritualidade cristã ocidental está afetada por esta permissão. Somente o judaísmo e os ramos calvinistas do cristianismo não se deixaram levar pelo tomismo.

Discipulando as Nações - Darrow Miller
Modelo Social do Antigo Testamento - Landa Cope - Ed. Jocum
A Morte da Razão - Francis Schaeffer - Ed. ABU.
Cosmovisão Cristã e Transformação Integral - Ed. Ultimato.
Verdade Absoluta - Nancy Pearcey - Ed. CPAD.

Abraços!

Rodrigo Rosa disse...

Olá Igor,

é sempre muito bom ler coisas que edificam. Críticas verdadeiras com embasamento correto que nos fazem pensar e entender melhor o contexto que vivemos.

Eu penso que as pessoas relativizam a Deus pois não querem que suas vidas sejam completamente mudadas então ficam em um mundo separado, à parte, visitando somente a espiritualidade nos cultos e celebrações, encontros e etc. Volta pra casa, volta pra "vida".

As pessoas deveriam entender que Deus é SOBERANO sobre tudo em suas vidas, inclusive o dinheiro.

Quando era adolescente escutei muitas pessoas dizerem que igreja era como um hospital, onde os que vinham do mundo estavam feridos e eles seriam tratados e curados.

Ora, mas ninguém tem moradia em um hospital. As pessoas vão, são tratadas e voltam pra casa. Percebendo isso, Deus tem me levado a entender a igreja como uma escola, onde se aprende e se pratica quando volta para casa para viver o dia-a-dia, para que assim possamos adorá-lo e viver o verdadeiro Reino de Deus (e ser a igreja dEle) a todo momento. E como um boa escola, lá existe uma enfermaria.

Para encerrar deixo um pequeno testemunho. Depois que comecei a entender e comecei viver o Reino de Deus e compreender seu amor (ainda tenho muito a aprender) percebi que meu carro passou a consumir menos combustível. Um pouco menos é verdade mas que fará diferença a longo prazo. Seria isso um milagre? Não! A compreensão de quem é verdadeiramente Deus e o que ele quer de mim e como ele deseja que eu viva aqui na terra me levou a ser uma pessoa muito mais calma, tendo reflexo direto no meu modo de dirigir e por consequência tenho andado mais devagar, sem estresse e correria e claro, o consumo diminuiu.

Fique na Paz do nosso Senhor!

Abraço!

@igorpensar disse...

Belíssimo Rodrigo! Belíssimo! Obrigado por seu exemplo concreto e prático de vida integrada com o Reino de Deus.

Obrigado!

Ana Cláudia Monteiro disse...

Igor, quem quebrou o espelho do cristão?! Como pode haver uma única imagem refletida em um espelho fragmentado? Imagem é identidade. O cristão hoje precisa ter para suprir sua ausência existencial (o pior é que não só o cristão, mas todo o mundo ocidental). E deve atribuir o que tem ao bem ou ao mal como forma de "colar" os cacos de sua existência vazia. O pior é que quanto mais acesso, mais distanciamento... paradoxal... mas quanto mais os cristãos têm acesso à Palavra escrita, se distanciam da PALAVRA VIVA. Que absurdo... Creio que um novo Pentencostes precisa acontecer no seio da Igreja ... o avivamento tão esperado... e despertá-la desse caos, dessa esquizofrenia espiritual que divide e polariza o humano... aliás, os cristãos perderam até o referencial do que é ser humano. Veja, os líderes não podem ser humanos, têm que ser espirituais, eles são separados da "vida secular", devem viver confinados às raias eclesiásticas, não é mesmo?! Já os cristãos são humanos, em busca de uma espiritualidade metafísica, porque no "mundo" objetivo, nada há além do pecado. Acho que tem um viés verdadeiro nisso, se considerarmos que pecado é tudo aquilo que me distancia da busca de Deus. Ora, Deus é espírito e procura ser adorado por humanos... aqui, agora, neste tempo, integral, não aos pedaços...

A Coisa Principal disse...

Igor é um prazer ter você como amigo e ver que compartilhamos as mesmas idéias. Ler um texto como este é como um balsamo, nestes tempos de bipolaridade espiritual, muito bom título por sinal, nos ajuda a continuar crendo num Deus que se revela aos que são do seu reino. Deus foi muito bom por tê-lo colocado em meu caminho ,tenho aprendido muito com os seus textos e espero um dia saber escrever como você rsrs. Preciso da sua autorização para postá-lo no site da Igreja urbana.
abraços,
Carlos Rizzon