9 de mai de 2010 | By: @igorpensar

Eli! Eli!

Por Igor Miguel

Impossível descrever minha trajetória espiritual nos últimos 12 anos. Impossível! Impossível descrever a graça de Deus e por onde o Espírito Santo me guiou nestes intensos anos. Desde quando criança tinha experiência aterradoras com meus pecados ante a indescritível presença de Deus, em pura santidade. Impossível, traduzir em texto ou palavra, impossível reduzir a magnitude da soberania de Deus e como ele se revela por meio da revelação escrita, por obras de filósofos, historiadores, pela música, pela bossa nova, o jazz, o reggae, as cantigas hebraicas, e pela história dos reformadores.

Minha vida vem sendo impregnada e imersa entre frases de grandes mestres da Torá, e mestres do cristianismo, ouço as vozes destas duas grandes tradições, que por algum motivo se auto repeliram durante a história. Mas quando tiramos do baú destas tradições "coisas velhas" e "coisas novas", quando colocamos o tempero ético hebraico e a ortodoxia cristã, alguma coisa realmente misteriosa acontece. Ouve-se a melodia apocalíptica, a "Canção de Moisés" e a "Canção do Cordeiro".

O primeiro amor? Ah! Ele sempre esteve aqui, sempre se renovou, sempre se renova. O primeiro amor é o amor atual, é minha paixão atual. Esta boa-nova que esmaga os altivos e ressuscita um novo homem, nova criatura. Sim, um novo homem nasceu do "vale dos ossos secos", sobre os oráculos do profeta, ao ruido do rio Quebar na Babilônia. De lá, ressurge um novo homem, um novo jardim a ser cultivado, prestes a compor junto com outras orquídeas, cravos, girassóis, algo mais belo que os jardins suspensos do palácio de Nabucodonosor.

Amparado por tamanha misericórdia, só me resta ações de graça, só me resta amar a justiça até as últimas consequências. Romper as vozes confusas daqueles que lutam e daqueles que sucumbem em meio a batalha! Só posso dar graças por estar de pé! Só posso dar graças por ter o casamento que tenho, por ter minha vida imersa em novidade de vida.

Encontrei na velha sabedoria judaico-cristã respostas para dilemas profundos de minha alma, somente lá, através da voz dos patriarcas, dos profetas, sacerdotes, rabinos, apóstolos, apologetas, pregadores, reformadores e teólogos. Enfim, até hoje escuto os ecos da sã doutrina, das orações e a emblemática imagem do judeu crucificado, que sempre me liga à crucificação branca de Marc Chagall. A cruz poderia ser interpretada como uma espada, poderia evocar imagens inconscientes de terríveis perseguições em nome de uma falso cristianismo e um falso Cristo. Mas, repentinamente, a cruz torna-se em sua barra horizontal uma imagem da história, do tempo, que é interrompido violentamente pelo transcurso vertical da encarnação, do verbo que divide a história em antes e depois dele. A cruz é um escândalo! Não pelo que fizeram com ela, mas pelo que ela fez nos homens que a entenderam.

Místico encontro! Ainda podia-se ouvi-lo dizer em língua semita: Eli! Eli! Lamá? Lamá azav'tani? Meu Deus! Meu Deus! Por quê? Por que me abandonaste?

אלי אלי למה עזבתני

A resposta não é tão óbvia, mas está ao alcance daquele que perguntar...

8 comentários:

Rodrigo Rosa disse...

Igor, tenho acompanhado seu blog à pouco tempo e gostado muito.

Deus tem me constrangido a abrir meus ouvidos para escutar o propósito DELE para mim e entender o Seu amor.

Bendito seja o nome do nosso Senhor! Na minha vida e da minha esposa, as palavras que Deus te dá por revelação tem nos abençoado.

Assistimos à ultima parashá (08/05) e Deus me levou a agradecer a Ele por todas as bençãos e tudo o que ele me confiou para que guardasse aqui na terra.

Shalom!

@igorpensar disse...

Olá Rodrigo!

Muito obrigado por seus comentários. Vou ser bem sincero. Estou convencido que experimentamos a salvação antes de entendê-la. Só hoje, após quase 12 anos de envolvimento com a boa nova, dei início a uma compreensão mais significativa do que é o evangelho e o que significou o sacrifício de um homem da mais alta extirpe real de Israel e mais ainda, alguém que subsistia na forma de Deus, torna-se semelhante a nós... incrível!

Roberto Vargas Jr. disse...

Igor, meu querido!
Mais uma jóia publicada no RVJ. Que o Senhor lhe seja sempre propício em graça!
NEle,
Roberto

Ana Laura disse...

Aí Maninho! Nada como um Chagal para começar a semana!Ehehehehehe!
Que o SENHOR continue te abençoando ricamente,lhe conceda conhecimento DELE para que SEU propóstio se cumpra em você.

No amor de Yeshua,

AL

@igorpensar disse...

Obrigado Roberto!

Me sinto honrado e ter este modesto texto postado em seu excelente blog.

Abraços!

@igorpensar disse...

Pois é Ana, eu gosto do Chagall... ele conseguiu a única representação que concilia Jesus e o judaísmo.

Jorge Fernandes Isah disse...

Igor,

esta sua frase é emblemática, ao sintetizar a ação do Evangelho no homem renascido: "a cruz é um escândalo! Não pelo que fizeram com ela, mas pelo que ela fez nos homens que a entenderam".

Como você disse ao Rodrigo, a salvação vem antes, muito antes do entendimento completo. É bastante ao homem reconhecer a sua condição pecaminosa, a santidade divina, e de que Cristo, pela cruz, reconciliou-nos com Deus.

A salvação é eterna, antes da fundação do mundo, é atemporal, ainda que vivenciamo-la no tempo, cada um de nós a Seu tempo, o tempo de Deus.

Enquanto o completo conhecimento somente será possível naquele dia, quando estivermos diante do Senhor, e nada perguntaremos, porque não será mais necessário.

Cristo o abençoe!

Abraços.

@igorpensar disse...

Pois é Jorge.

Eli! Eli! É o grito, a tensão entre se lançar na soberania de Deus e vencer a sedução da autonomia. É bom ver pessoas que compartilham do mesmo sentimento a respeito do governo irrestrito de Deus sobre todas as coisas.

Abraços,
Igor