22 de dez de 2015 | By: @igorpensar

Defesa aos que Celebram o Natal

Imagine uma família cristã reunida a noite, entoando cânticos, orando e agradecendo ao Deus de Abraão, Isaque e Jacó ao redor de uma mesa pelo evento mais extraordinário que já aconteceu: o nascimento de Jesus.   Imaginou?  Agora imagine dezenas de jovens cristãos indo para debaixo de um viaduto em BH para celebrarem o natal com moradores de rua, levando a esperança cristã para estas pessoas. (O evento acontecerá amanhã aqui).  Imaginou novamente? 

Pois então, uma pessoa que vê nisso tudo um evento pagão, simplesmente, já perdeu qualquer capacidade de discernimento, bom senso e graça.  Caiu em um moralismo farisaico, vendo cisco nos olhos dos outros, mas esquecendo o tapume em seu próprio olho.  Gente preocupada com formas, mas que já perdeu completamente o senso de Cristo encheu este nosso mundo de sentido.  Ninguém é obrigado a celebrar o natal, isto não é uma ordenança bíblica.  Mas alegar que um cristão é sincrético, pagão ou hibridista quando o celebra, pra mim, já perdeu completamente o que o natal significa para um cristão educado.  Cristãos celebram o nascimento de Cristo.  A data em si é tão pouco relevante que cristãos coptas e orientais celebram em outras datas diferentes do dia 25/12.  O que importa é o evento que está sendo celebrado: Jesus nasceu e o Verbo se fez carne!

Agora quero demonstrar que o paganismo daqueles que se opõem à celebração cristã do natal é pior do que o suposto paganismo daqueles que o celebram.   Geralmente se opõem ao uso de árvores de natal, símbolos natalinos consagrados pelo tempo, e a própria data da comemoração alegando todo o "mimimi" de paganismo, sincretismo etc.

Não quero defender o simbolismo, sinceramente, isto é pouco relevante.  Mas o que temo é  a satanização de símbolos, datas e costumes, que hoje, assumem significados específicos dentro da cultura cristã.  Esquecem que símbolos não possuem uma "alma", ou estão possessos por um "ânima" ou "stoikeia".  Símbolos recebem sentido comunitário ou cultural.  

Pagãos sacrificavam animais muito antes de Israel existir, mas quando Israel o fazia, o ato tinha outro sentido.  Pagãos possuíam templos e santuários, mas o Santuário de Salomão tinha outro sentido.   Diversas culturas pagãs possuíam sacerdotes, mas o sacerdócio de Israel tinha um sentido muito específico.  E, o que dizer, do termo "Elohim" em hebraico, que era amplamente usado pelo paganismo cananeu e sofreu uma apropriação monoteísta pelos israelitas?  É óbvio que quando Moisés ou Jesus evocavam "Elohim" não evocavam um deus ou deuses pagãos. E, tampouco, quando Sarah chamava Abraão de "baali" (meu senhor) o chamava de "meu Baal".

A atitude de rejeitar símbolos ou datas, só porque, em hipótese, foram utilizados outrora em contextos pagãos com fins não-cristãos, é simplesmente pagã.  Vejam que ironia! 

Símbolos ou datas são apenas símbolos ou datas, cuja atribuição de sentido é dada de forma diversificada dependendo do contexto que os interpreta.  O hexagrama (conhecido como Estrela de Davi) era usado em diversas culturas pagãs, antes da cultura israelita, e daí?  Símbolo é símbolo. Seu sentido é específico dentro de uma cultura específica.  O que dizer das marcas irreparáveis do calendário pagão babilônico no calendário judaico-bíblico?  O que dizer de reis pagãos que ao observarem a posição dos astros, a partir de sua astronomia tradicional, conseguiram prever o nascimento de Jesus em Belém da Judeia?  Deus em sua graça comum, derramou "sementes do Verbo" no mundo, espalhou isso pelas nações.  Ele pode usar um falso-profeta pagão como Balaão, pode usar uma prostituta pagã como Raabe, pode usar um altar pagão, como ao Deus Desconhecido em Atenas, para que sua verdade penetre em ambientes pouco familiarizados com a "linguagem de Sião". 

Neo-judaizantes são muito previsíveis: retórica primitivista, neo-farisaica, cheia de esnobismo cronológico, cheia de purismo histórico.  No afã de erradicar todo "paganismo" da igreja, caem em um paganismo quase-platônico.   Como se fosse possível uma fé supra-histórica.

Finalmente, você tem todo direito de não celebrar o natal, obviamente, a data não é uma ordenança bíblica.  Mas você considerar ou acusar de pagão ou neopagão cristãos reunidos em família para celebrar e agradecer a Deus pelo que João disse: "O Verbo se fez carne e habitou entre nós."  Isto sim é pagão, muito pagão, é a mais pura perda de discernimento histórico e da noção de que Deus deu riquezas às nações, e que o cristianismo teve o poder de redimir seu sentido para Cristo.

Sim!  Celebrarei o natal com minha família, com meus amigos, e os moradores de rua em BH, o farei, pois eu seria muito pagão se entregasse o sentido deste dia para o mercado e o secularismo.

3 comentários:

Paulo Brasil disse...

Amado irmão, boa tarde.

Acabei de ler seus argumentos a respeito da defesa da celebração do natal.

Todos os argumentos são excelentes.
A apropriação dos símbolos pagãos pelo judaísmo é muito boa... acontece que todos esses exemplos tem as Escrituras - nosso Deus - qualificando-os como objeto de fé.

Quanto ao natal, falta-lhe ESSE atributo.

Se houvesse pelo menos uma linha - como há em seus exemplos - nas Escrituras esta discussão seria totalmente estéril.

O corpo das Escrituras não aponta para qualquer celebração do nascimento de Cristo - apesar de tal fazer parte de sua obra redentora.

Acho maduro a pessoa afirmar que celebra o natal por convicção pessoal, e muito mais maduro garantir - afirmar - que nada há nas Escrituras que a associe a uma data cristã - ao cristianismo.

Acho que o crente deve conviver com o natal como qualquer outro dia, com a convicção que tudo que faz, o faz para glória do Altíssimo.

Um grande abraço e que o Senhor seja bondoso com todos nós.

Sandro Aparecido disse...

Se devemos celebrar, irmãos, até os anjos sairam, e se alegraram com o nascimento do salvador, ficaram eufóricos com o nascimento do salvador, que dirá nós. ..temos que celebrar sim e nos alegrar e nos reunir sim, em nome daqule que nasceu, morreu e ressicitou e reina para sempre, Deus não está atrás de pessoas que montam árvores de natal ou não, ele está a procura daqueles que o adoram em espírito e em verdade..se tem árvore ou não. ..isso é irrelevante. ..

Paulo Brasil disse...

Que comemorem os anjos. Se não há base nas Escrituras não é cristão.