26 de out de 2005 | By: @igorpensar

Conhecimento e Informação


Conhecimento no grego vem de gnosis que pode ser traduzido como "saber" ou "ciência", mas tem uma variável gnômê que pode ser traduzido como "juízo" "opinião", "conselho", "parecer", "acordo", etc. Conhecer é apropriar-se do congnocível, absorver parcialmente ou plenamente (sendo aqui idealista) um objeto ou o outro, o que está fora ou dentro dos limites de nossa observação. Conhecer no hebraico é "Yadá" que está ligado a "intimidade" esta palavra as vezes é usada com conotação sexual, dando a idéia que conhecer é transpor o véu do desconhecido, é entrar no outro, é penetrar a realidade desconhecida. Porém, quando se diz "conhecimento" trata-se do produto do ato de conhecer. Conhecer é a relação, conhecimento é o seu produto, porém está implícito no ato de conhecer que não há conhecimento passivo, este está diretamente ligado ao "ato de conhecer", e não é possível assim "receber conhecimento", o que é possível é conduzir ao conhecimento, mas esta está sempre ligada a própria intervenção do sujeito ao objeto.

Informação é formada por três palavras in + formar + ação, poderíamos dizer que informação é uma ação de interiorizar a formação. Aqui parece que há mais um caráter passivo por parte do sujeito, neste caso se quer há relação direta do sujeito com o objeto, o sujeito tem acesso ao conteúdo, e é formado pelo dado pronto, de uma "relação" prévia e universalmente ou oficialmente aceita, e este recebe este produto pronto, acabado, sem inicialmente nenhuma possibilidade de autonomia no processo que se levou ao dado "informado".

2 comentários:

Ana disse...

É interessante como o conhecimento e a informação gostam de andar juntos. Observe você mesmo, leitor, aprendendo: está alternando ação de julgamento e não-ação... Conhecimento e informação?

Este caminhar junto, na minha opinião, deve ser orientado pelo julgamento da informação, (tornamos ao conhecimento) para ser julgada é preciso conhecimento, (tornamos à informação)que para ser recebido é preciso informação. Sendo assim: informação, conhecimento, informação, conhecimento... Ou seria: conhecimento, informação, conhecimento, informação?... Quem veio primeiro o ovo ou a galinha?

Assim sendo, ao ser apresentada à você, caro leitor, devo perguntar: “Como você está?” ou “Como vocês estão?”? Porque ao receber a informação do conhecimento de outro ser, você não estaria recebendo passivamente parte dele mesmo? Ou ao conhecer outro ser, não poderia tentar plantar (projetar nele) as suas informações?

Afinal, depois de transpassar seu véu, e conhecer a intimidade de sua alma, leitor, que informação tenho de você para formar meu conhecimento a seu respeito?

Aliás... Considerando-se que posso transmitir informação inconsciente (como se transmite uma gripe) e você pode recebê-la também de forma inconsciente (pode?), o conhecimento-informação (ou informação-conhecimento?) vai além do que sentimos e pensamos.

Quem poderá conhecer de fato o coração humano? A quem pertence a informação pura?

Matheus disse...

qual a fonte de informação para esse seu post ? Achei ele legal...