7 de jan de 2009 | By: @igorpensar

O Rapaz e o Manuel

Por Igor Miguel

Solicitaram minha opinião sobre o conflito entre o Hamás e Israel. Traduzi minhas impressões em uma crônica, que ilustra o crônico conflito que testemunhamos - Igor

Manuel era forte e inteligente, mas com certeza não estava entre os mais fortes. Manuel morava em um bairro de periferia esquecido pelo mundo, um bairro perigoso e cheio de hostilidades. Manuel sofria hostilidade, talvez por sua mente aberta e seus sonhos ou talvez por ter chegado no bairro vindo de lugar nenhum, como um forasteiro.

No começo Manuel não era tão forte, era uma criança, seus pais eram pobres, vieram de andar o mundo a procura de emprego. Mas, Manuel cresceu e de tanto apanhar e sofrer, aprendeu as artes, a cultura e a se defender. O antes pequeno e fraco Manuel, agora se tornou forte e criou seus meios para continuar existindo.

Quando Manuel chegou no bairro, havia muitos meninos, que não aceitavam a forma como Manuel se comportava, mas o respeitavam, pois Manuel tinha fama de forte e que sabia se defender.

Mas, havia um rapaz muito "marrento" na vizinhança, menino encrenqueiro e que tinha muita inveja de Manuel.

O rapaz vivia todo o tempo, planejando formas de acabar com Manuel, talvez por inveja, talvez por opressão de seus vizinhos que cobravam dele uma posição, mas o rapaz passava noites e dias planejando uma forma de acabar com a fama do Manuel.

Mas, esse rapaz era covarde, ao invés de lutar contra o Manuel, tocava naqueles que o Manuel gostava, agredia seus parentes, seus amigos próximos e criava formas de atingi-lo indiretamente, afinal não podia contra ele.

Então um dia o rapaz viu a namorada do Manuel. Ela era linda, seus olhos eram castanhos claros, seus cabelos de cor caramelo anelados e sua pele queimada pelo deserto. O rapaz pensou em uma estratégia para roubar a namorada do Manuel: fazer-se de vítima. Essa seria a estratégia final.

Um dia o rapaz encontrou com o Manuel e o encarou. Provocou relembrando tudo que tinha feito contra seus amigos e próximos. Como Manuel não reagia, o rapaz lhe deu uma cusparada no rosto. Manuel ainda não reagira e finalmente, o rapaz lhe disse que ele era um fracassado, filho de homens errantes, de conspiradores e que se aproveitava de sua trágica história para comover a vizinhança.

Nesse momento Manuel teve que reagir, deu-lhe um belo soco no rosto, o rapaz caiu sangrando e começou a chorar. Todos correram para ver o que acontecia. O comportado Manuel batia no rapaz, o rapaz chorava, esperneava e a namorada do Manuel, bela da cor do deserto, pulou no pescoço do rapaz para ajudá-lo. A namorada do Manuel tinha pena dele, e começou a gritar contra o Manuel, lhe dizendo que ele era covarde, impiedoso e que o rapaz tinha razão.

O plano deu certo! Manuel* virou vilão e o rapaz** tornou-se vítima.

________________
*Israel
** Hamás

4 comentários:

Nilson Bispodejesus disse...

Citando o título do artigo do Reinaldo Azevedo (colunista do Veja.com):

"A culpa é da vítima"

Pr. Diogo Dantas disse...

Olá Igor, Paz de Cristo seja contgo. Quem escreve é o Pr. Diogo Dantas. Gostei muito do seu artigo e gostei também do comentário que você deixou no meu. queria seu e-mail pra que possamos conversar. Há oliveira já está lá em seu lugar rs ... quanto a rebeldia eu penso que ela é clara na bíblia, uma rebeldia na questão messiânica. " Eu vim para os meus, mas os meus não me quiseram.." porém sei que um dia vão querer.. vão querer Jesus.
um abração amigo.. já oro por ti..
Pr. Diogo Dantas

Igor Miguel disse...

Olá Pr. Diogo,

Fico feliz que tenhas visitado meu blog, tenho certeza que temos muito o que compartilhar nEle. Quem me indicou seu blog foi o Erike. Achei interessante sua iniciativa e o texto de relevante sensibilidade.

Obrigado,
Igor

Anônimo disse...

I love Lord of Rings too...
Meu terceiro cachorro se chama Frodo, foi atropelado em frente de casa. Não andava por ter quebrado a bacia, por dentro e por fora tava infestado de parasitas... hoje toma Gadernal duas vezes ao dia; dá muito trabalho...
Faço Cates. Quando recuperar meu sono atrasado vou 'namorar' por aquí; amo Israel